OGUN, OKÔ E A DESCOBERTA DA AGRICULTURA

Posted by Gunfaremim on 3 de outubro de 2013

 

A terra mexida e plantada dá frutos

Era uma vez, quando o mundo foi criado, levou muito tempo que não existia nada plantado, pelo homem. Aqui morava um homem chamdo OKÔ. Este nome ele recebeu de Olorum.

Um dia Olorum chamou este velho caçador e disse: – Olhe, eu criei o mundo, porém faltam as plantações e eu quero que você assuma esta tarefa. Plantar é uma função muito especial para a construção do mundo. Eu preciso terminar um trabalho que comecei. Portanto, preciso da sua ajuda. Esta tarefa de plantar é sua. E tem mais, eu quero um mundo bem bonito com muitas plantas verdinhas no chão. Quero árvores fortes com boas sombras, quero muitas flores e frutos saborosos, e não esqueça de tudo que possa servir para remédio.

Okô ficou sentado no chão pensando: Que grande trabalho Olorum me deu. O que é que eu vou fazer?

Pensou, pensou e depois de muito pensar lembrou de que um dia nas suas andanças, tinha encontrado uma palmeira, um Igi Opê. Uma única palmeira que era a morada do menino do corpo reluzente. Este menino estava sempre com um pedaço de pau mexendo a terra. Okô lembrou de que naquele dia, ele teve uma conversa com esse rapazinho:

-Menino, o que você está fazendo aí o tempo todo mexendo na terra?

-Então você não sabe que a terra mexida e plantada dá frutos?

-Plantada como? Perguntou Okô.

-É, a gente arruma semente e tudo..

-Como arruma semente se ainda não existem árvores? Não existe nenhuma planta a não ser esta palmeira!

O menino lhe respondeu: -Olhe, para Olorum nada é difícil.

Okô ficou admirado com a sabedoria do menino e foi embora. Quase esqueceu aquele encontro.

Quando Olorum lhe deu esta empreitada, ele pensou logo no menino do corpo reluzente. Voltou ao mesmo lugar e lá estava ele, sentado embaixo da palmeira, cavando a terra.

O buraco estava bem maior. E daquele buraco já estava saindo uma terra vermelha. Então Okô perguntou ao menino: -Por que esta terra está saindo mais vermelha?

-È sinal de que existe algo diferente nas profundezas da terra.. Veja onde eu estou cavando agora, observe que a terra é mais seca.. agora, esta outra parte é mais molhada.. E agora o que está saindo.. é uma parte bem mais dura..

-Continue a cavar, menino. Vamos cavando. Cavando sempre sem parar.

Enquanto o menino estava cavando, a madeirinha que estava usando quebrou. Ele aí pelejou, pelejou, esfregou a parte que sobrou no chão e fez uma ponta. Naquele momento estava nascendo o primeiro instrumento agrícola. Com este instrumento os dois começaram a cavar alternadamente. Um cavava, depois o outro cavava.. Agora tiravam lascas bem duras do meio da terra. Era o surgimento das lascas de pedra. Parecia que agora tudo podia ficar mais fácil.

 

Igí Ope- Árvore dedicada a Osalá e de onde se extrai o Mariwo, roupa de Ogun

Okô resolveu sair um pouco e foi dizendo:

Vamos ver se fazemos algo melhor para cavar a terra. Vamos ver o que conseguimos fazer com estas lascas de pedra.

O menino do corpo reluzente continuou o trabalho e Okô lhe disse:

Eu vou embora, veja se você sozinho consegue algo mais eficiente pra gente trabalhar.

Okô foi embora. E pelo caminho ia refletindo em tudo que se passara. No outro dia quando voltou, o menino estava com um fogo acesso e com vários pedaços de pedra dentro do fogo.

Quando o menino fez o fogo, fez também um canal de dentro do fogo. No que as pedras iam derretendo iam formando novas lâminas. Assim foi criado o ferro. Daí em diante, Okô teve sempre grandes ideias sobre plantações, sobre a colheita e a lavoura.

E o menino do corpo reluzente? Quem seria o menino do corpo reluzente? Quem seria o menino misterioso e inventor de ferramentas?

O menino só podia ser Ogum. Ogum foi crescendo, aperfeiçoando e criando novas ferramentas para ajudar a cuidar bem da terra. Assim aparecem a enxada, o arado, a foice e tudo quanto é de ferramenta. Os dois juntos continuam trabalhando nas plantações que têm grande importância para a vida do ser humano na terra.

 

Conto retirado do livro: Ilê Ifé- O sonho do Iaô Afonjá (Mitos Afro-brasileiros)- Carlos Petrovich & Vanda Machado), Salvador/Bahia 2000, EDUFBA.

Carlos Petrovich- Iniciado, Oga de Ogum, Professor Universitário Adjunto da UFBA-Ator, Diretor, autor de Teatro- Escola de Teatro- UFBA. Arte-Educador.

Vanda Machado- Iniciada, filha de Oxum, Professora Primária, Graduada em História, Curso de Iniciação em Cultura Africana, CEAO/UFBA, Mestrado Fac. Ed. UFBA- Autora de Ilê Axé- Vivencia e invenção pedagógica- As crianças do Afonjá- UFBA/SMEC-PMS- 1999 e Prosa de Nagô, Carlos Petrovich, EDUFBA, 2000.

6 Responses to OGUN, OKÔ E A DESCOBERTA DA AGRICULTURA

  1. Jandira Santos

    gostei muito desta página linda interessante e de muita sabedoria, parabéns para todos.
    Irmã na fé.

    • Gunfaremim

      Obrigado irmã! Eu procuro escrever com o coração.

  2. cristovão fernandes

    POXA ADOREI SEU SITE E GOSTARIA DE LHE AGRADECER PELO MESMO. SOU DE JEJE E GOSTARIA DE SABER SOBRE A ERVA ORIRI. DESCULPAS SE A ESCRITA NÃO FOR ESTA . KOLOFÉ E MUITO OBRIGADO.

  3. cristovão fernandes

    adorei seu site …. sou de jeje e gostaria de saber um pouco mais sobre o ORIRI. kolofe e obg.

  4. cristovão fernandes

    Boa tarde adorei seu site… sou de jeje e gostaria de mais sobre o akoko e oriri. obg

    • Gunfaremim

      Obrigado pelo carinho meu irmãozinho Cristovão. Procure no Blog as postagens sobre o akoko. Vou tentar publicar algo sobre o oriri em breve. Kolofé Olorun. Motumbá!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>